Dia 14 de setembro – Dia Nacional de Lutas!

276

 

Será realizado, de 12 a 15 de outubro, o 3º Congresso Nacional da CPS- Conlutas. Com o objetivo de fortalecer os sindicados e unir os trabalhadores para as lutas que estão por vir, o congresso acontecerá na Estância Árvore da Vida, em Sumaré, São Paulo. Para participar, procure o STIG-MG e receba as orientações (31) 3422-4503.

O Dia 14 de setembro é o Dia Nacional de Lutas. O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas, de Jornais e Revistas no Estado de Minas Gerais (STIG-MG) participa da construção dessas lutas, que tem, atualmente, como finalidade impedir a aplicação da Reforma Trabalhista, já sancionada, e derrotar a Reforma da Previdência.

Participar dessa batalha é estar comprometido com um futuro melhor para todos os trabalhadores brasileiros. Neste ano, mostramos nossa força contra os ataques do governo e dos patrões, que tentam acabar com os direitos conquistados com muita luta e suor ao longo dos anos.

Foram várias manifestações com milhares de trabalhadores em todo o país. A importante Greve Geral, no dia 28 de abril, o grande protesto em Brasília, dia 24 de maio, e as mobilizações e greves do dia 30 de junho.

CSP-Conlutas sempre ao lado do trabalhador

A CSP-Conlutas não abandona a luta pela Greve Geral para derrotar os ataques aos trabalhadores. É Diferente da CUT, que preferiu apostar neste sistema eleitoral de cartas marcadas e focar na campanha a presidência da república do ex-presidente Lula, traidor da classe trabalhadora e que está mais sujo do que pau de galinheiro.

A CSP-Conlutas é diferente também de outras centrais como a UGT e a Força Sindical, que fazem acordos com o corrupto e vendido governo Temer em troca de manter o Imposto Sindical. Nossa central sempre foi contra este imposto!

Reforma trabalhista foi aprovada no Congresso Nacional. De quem é a culpa? 

O projeto de Reforma Trabalhista retira diversos direitos dos trabalhadores e já estava planejado desde os tempos dos governos de Lula e Dilma. No entanto, como resultado das grandes mobilizações dos trabalhadores, o governo demorou anos para conseguir aprovar esse projeto.

E só conseguiu aprovar porque as maiores centrais sindicais (CUT, Força Sindical, CTB, UGT) recuaram das lutas. Depois da Greve Geral do dia 28 de abril, foi marcado uma nova Greve para o dia 30 de junho. Era a oportunidade de parar o Brasil e enterrar o projeto das Reformas. Mas essas mesmas centrais sindicais traíram os trabalhadores, não se esforçaram e a Greve não saiu da forma esperada. Assim, o governo aproveitou o momento e colocou a Reforma Trabalhista em votação.

Essa luta ainda não acabou. Vamos fortalecer nossa organização, exigir das centrais sindicais uma postura séria e comprometida. Vamos para cima do governo e dos patrões.

Calendários das Assembleias para tirarem delegados Sindicais

Compartilhar